21 de dezembro de 2011

Quem tem boca "vai" a Roma? Prego, prego!!!!

Nas imediações do Pantheon está a belíssima Fontana de Trevi. Este é o lugar que não se pode deixar de ir...

O forte som das águas nos mostra que estamos bem perto. A grande movimentação de pessoas definitivamente confirma que estávamos certos.

Diz a lenda que se jogarmos uma moeda na Fontana de Trevi sem olhar para trás e fizermos um pedido, ele se realizará.

Há uma outra lenda que diz que simplesmente jogando uma moeda na Fontana garantimos o nosso retorno a Roma.

Com tantas moedas pela Fontana os guardas ficam atentos para que ninguém possa retirá-las da fonte.

A fonte está integrada a um prédio, e a curiosa composição torna a Fontana uma construção ímpar.


Após apreciarmos (minha irmã e eu, e nosso amigo Moacir) as águas azuis da Fontana e tomarmos um delicioso gelato (aliás, não pode existir combinação mais perfeita!!!), foi o momento de dizer "arrivederci" para a Fontana para dar "ciao" (oi e adeus em italiano) ao próximo destino: o Vaticano. E assim, decidimos caminhar até o Vaticano para finalizar o nosso dia.

Depois de algum tempo de caminhada, por sorte, fomos parar em uma das ruas mais famosas e longassssssss de Roma, a Via del Corso. Conhecida pelo seu comércio, este pedacinho de Roma tão movimentado e interessante faz com que a gente até se esqueça do que estava procurando antes de chegar lá.

Foi na Via del Corso que começamos (sem saber ainda o que nos esperava) a nossa divertida aventura... uma verdadeira expedição por Roma. Dizemos isso, pois foi nesta Via que começamos a pedir ajuda às pessoas para seguir nosso destino. As primeiras foram duas simpáticas freiras. Timidamente, lançamos a primeira frase em italiano. "Per favore...". As freiras eram brasileiras e gentilmente nos mostraram o caminho, elas vinham do Vaticano. Nós estávamos no caminho certo!

Caminhando por ali, é muito fácil encontrar lojas de souvenir. Paramos em uma... em outra... e por várias vezes escutávamos a famosa palavra: "Prego!"

A palavra "prego" em italiano é realmente muito utilizada... e logo, atiçou nossa curiosidade. Tratamos logo de entender esta expressão questionando um vendedor de uma dessas lojas de souvenir. Ele explicou que esta palavra podia ser usada no começo ou no final da frase. Prego... podia então substituir o "per favore", no começo da frase ou vir logo após do "grazie", o obrigado em italiano. A partir daí... seguimos à risca a dica do nosso novo amigo vendedor.

No caminho, belas paisagens, obras de arte... uma linda ponte. Ao fundo o Castelo de Sant' Angelo.



Enfim, chegamos à Città Del Vaticano, a residência do Papa. Via della Concializione... Ah... que bela vista da Basílica di San Pietro!




Já era final de tarde... A Piazza San Pietro... e a Basílica só pra gente...

Descobrimos que a grande maioria dos visitantes fica ansiosa para conhecer o Vaticano e por isso pela manhã e durante o dia a movimentação de pessoas é intensa. O resultado: enormes filas para entrar na Basílica. Mas, no final da tarde o movimento é bem menor e nesta tarde de inverno... havia meia dúzia de pessoas caminhando por ali.



Para visitar a Basílica não se paga nada. Só devemos nos atentar as vestimentas, pois é terminantemente proibido o acesso à Basílica com os ombros a mostra, vestindo regatas ou blusas sem mangas. Bermudas e shorts também não são bem vindos. No inverno nenhum problema, mas no verão e na primavera é fácil encontrar muitos "ambulantes" vendendo lenços. Como a maioria das pessoas não tem esta informação.... é um desfile de lenços de todas as cores imagináveis... o desfile del Vaticano.

E assim... bem vestidos, todos devem permanecer até a saída, pois de outro modo, aparece surpreendentemente um membro da igreja aos gritos, desejando expulsar os atrevidos.

Mas, como estávamos no tempo do inverno e tudo meio vazio, nem tivemos que nos preocupar com isso. Visitamos toda a Basílica em um espontâneo silêncio, contemplando a beleza do seu interior.





É... havíamos fechado o nosso dia com chave de ouro... ou a chave de San Pietro. Hahahaaa... Fechado o dia?????

Ainda não!!!

Nosso amigo Moacir, já muito ambientado com o sistema de transportes de Roma, disse que estávamos próximos ao terminal de ônibus que nos levaria de volta ao hotel. Até que veio a ideia: Podemos voltar a pé! Louca ideia nossa que o Moacir avaliou meio preocupado: "Mas, vocês sabem como?". A resposta esperada: "A gente se vira... Quem tem boca "vai" a Roma".

Não podia ser tão difícil!!! Não podia???? Bom, para começar, atravessamos a mesma ponte por pelo menos duas vezes. Sabe aquelas cenas de filme que mostra que as pessoas andam, andam e retornam ao mesmo lugar?? Então, isso não é uma invenção do diretor do filme... isso facilmente acontece em Roma.


E começa o pedido de ajuda... pergunta daqui, pergunta dali... mapa em uma mão, máquina fotográfica na outra. De repente, nos damos conta de como Roma é linda à noite.

Seguindo as margens do Tevere (rio Tibre que atravessa Roma), continuamos confiantes... verificando os nomes das ruas... de cada uma das pontes... a direção parecia a certa.

Nos distanciamos um pouco das margens do rio, passamos em uma tabacaria para ver se encontrávamos um cartão telefônico internacional (um meio muito mais barato para fazer ligações para o exterior). Enquanto procurávamos esse cartão fomos conversando sobre nossas histórias de vida, sobre o trabalho. Moacir nos contou sobre seu amor pela arte e sobre sua bela cidade no Sul do Brasil. Parecia inacreditável... uma caminhada por Roma com um papo descontraído... já nos sentíamos italianos. Bom, isso ficou mais evidente quando resolvemos incorporar o tão famoso "prego" às nossas abordagens aos romanos, em busca é claro de informação sobre o caminho do hotel. Muito descolado e divertido, Moacir começou a parar as pessoas na rua. O primeiro "prego" saiu assim meio tímido, mas não demorou muito e a gente já estava falando "prego" para todos os lados, tão intensamente... que o homem que passava na rua se encostou no muro quando o Moacir o abordou. Acho que ele pensou que era um assalto... hahaha.. Mas, o Moacir continuava a perguntar, já tinha até sotaque italiano!!!

Passamos por lugares lindos... que só depois descobrimos o nome. Vimos o Obelisco... da Piazza del Popolo com a lua ao fundo...




Atravessamos a ponte Mílvia... A ponte dos Cadeados.



Havia um homem vendendo cadeados e o Moacir tratou logo de perguntar o motivo. O homem explicou que muitos apaixonados prendiam os cadeados na ponte para garantirem um amor eterno. Nos cadeados estavam escritos os nomes dos casais e as juras de amor eterno...

A gente ria muito pelas ruas de Roma... informação sobre o caminho a seguir ? Não tínhamos quase nada. Ninguém sabia informar ao certo o caminho... Alguns nem entendiam direito onde queríamos ir.  E assim, repetimos "Via Flaminia, Via Flaminia" muitas e muitas vezes.

Apesar de divertido, a esta altura, já havíamos caminhado por horas e horas. As pernas doíam... e os pés???!! A gente nem sentia mais.

Chegamos então à uma pizzaria. Mais uma vez, o Moacir com seu famoso e já familiar "prego" foi perguntar. O dono, típico italiano, já tratou de gritar ao funcionário o nome da Via... para saber se ele conhecia.  "Eco"... dizia ele...  Muito expressivo perguntou onde queríamos ir... desta vez falamos o nome do hotel. Ele pegou uma lista telefônica e começou a procurar. Ligou para o hotel e ao desligar disse incisivamente: "É Fleming e não Flaminia!!" "Fleming, Fleming", repetia ele sem parar fazendo o gesto com as mãos, demonstrando ser o mais típico dos italianos. Quem via de fora poderia pensar que se tratava de uma briga... mas, era só o jeito do italiano de ser prestativo. Ao final ele disse: "melhor pegar um ônibus" e completou a frase com algumas expressões que não compreendemos... Vai ver ele disse que éramos loucos. Só podia ser!!! Concluímos isso, quando caminhamos muitoooo mais até reconhecer um lugar mais familiar... Nós identificamos o percurso que o ônibus do tour havia feito. Era só mais uma subida... e nunca ficamos tão felizes em ler uma placa...



E então... ríamos e repetíamos uns para os outros.... É Fleming, Fleming, Non Flamínia, Fleming!!! Prego?!!!!!


Não deixe também de ler as postagens sobre a Itália e a Série 1° tour pela Europa.


Siga o Histórias para Viajar nas redes sociais:
        

16 de dezembro de 2011

Bola quadrada? Não. Pizza quadrada!

Depois que reencontramos o Moacir decidimos ir em busca de outro monumento grandioso de Roma: O Pantheon.

Sem sabermos direito o caminho, com o mapa em mãos fomos seguindo pelas ruas de Roma.

Ao acaso entramos na Via Florida. Já passava da hora do almoço e não havíamos dado conta de como estávamos famintos. Foi aí que vimos uma pizzaria..."ahhhh as pizzas italianas". Vocês pensaram nisso? Nós também! Entramos na "Pizzeria Florida" que estava localizada na Via Florida, 25 em frente ao Largo di Torre Argentina (Infelizmente voltamos em agosto de 2013 e a pizzaria havia fechado. Uma pena!)

Essa pizzaria funcionava como um fast food, ao invés de encontrarmos as tradicionais pizzas redondas, encontramos as pizzas quadradas que são cortadas do tamanho que o cliente escolher. Os sabores são os mais diversos: da mais tradicional muzzarela até a pizza de batata, por exemplo.



As pizzas são cortadas com tesoura, são aquecidas na hora e são pesadas. E são super baratas!!!!! Uma ótima opção.

Conversamos com o simpático dono da pizzaria. Sabendo que éramos brasileiras perguntou se torcíamos para o time do São Paulo. Perguntou também se voltaríamos a Roma no próximo ano. Sem saber ao certo, afirmamos que voltaríamos...e não é que voltamos mesmo!!!! Pouco mais de um ano depois estávamos lá na mesma pizzaria!!!!!!!

Ele nos recomendou um parque que poderíamos ter uma vista belíssima de Roma. 

Naquele ano não conseguimos ir até lá, mas no ano seguinte nós fomos. Mas essa parte da história contarei em um outro momento.

Saímos muito felizes e super satisfeitos da pizzaria. Continuamos a caminhada rumo ao Pantheon.

Ruas estreitas, sinuosas, vielas...que nos levam ao Pantheon. Sempre com fachadas típicas e diversos monumentos que vão tornando o passeio muito agradável. 

E aí a gente se depara com uma estrutura impressionante que de tão grande é difícil de ser capturada pelas lentes da câmera fotográfica.

Os detalhes são magníficos: por dentro e por fora. A gente se sente mesmo dentro de um livro de História.




Do lado de fora muita gente...grande parte maravilhada com o grande monumento. Mas é possível ver na primavera e no verão muitas pessoas ali a sua volta, comendo frutas, tomando um gelatto, lendo um livro, reunindo-se com os amigos.

Quem quiser pode tirar foto com esses homens (Foto paga é claro!)


Saindo de lá encontramos uma das diversas igrejas de Roma. Por fora uma igreja comum...mas por dentro.....

Ficamos apaixonadas por essa igreja!!!!!!!!





Esse dia tão especial foi tão intenso que parecia ter mais de 24 horas....por isso essa história ainda não termina aqui....

Saiba a continuação dessa história lendo o post: Quem tem boca "vai" a Roma? Prego, prego!!!


Não deixe também de ler as postagens sobre a Itália e a Série 1° tour pela Europa.

Siga o Histórias para Viajar nas redes sociais:
        


As Ruínas de Via dei Fori Imperiali

Como já havia dito, a nossa turma do tour estava bastante agitada, mas tinha um motivo para isso - eles tinham que aproveitar Roma muito bem aquele dia, pois no dia seguinte iriam visitar a cidade de Pompéia, famosa pelo Vulcão Vesúvio. Já minha irmã e eu iríamos ficar os 3 dias em Roma para explorar bem a cidade.

Fomos juntos ao Foro Romano, mas não permanecemos juntos até o final. Do grupo só restou o nosso amigo Moacir.

O Foro Romano está bem pertinho do Coliseu. Era lá o principal centro comercial da Roma Imperial. Havia lojas, praças de mercado e de reunião.

Apesar de atualmente não ser mais um lugar de comércio como antigamente são suas ruínas que levam as pessoas à visitação.





Continuamos por um bom tempo a caminhar pela história viva das ruínas do Foro Romano. Quando resolvemos seguir para o nosso próximo destino, o Moacir decidiu ir ao encontro do tour para irem de metrô à algum lugar de Roma, e nós estávamos dispostas a explorar a cidade a pé.

Seguimos pela Via dei Fori Imperiali em direção ao Museo Nazionale Emigrazione Italiana. No caminho uma bela vista do Foro Romano e ao fundo o Coliseu.

Museo Nazionale Emigrazione Italiana


Contornamos a frente do museu para chegarmos a Piazza di San Marco onde fizemos uma parada para bebermos água da fonte. Lembrando que em Roma todas as fontes têm água potável. Ainda bem que paramos, pois foi nesse exato momento que reencontramos nosso amigo Moacir que perdido tentava conversar com um "carabinieri", ou seja um policial. E aí começa nossa divertida aventura por Roma...

Saiba a continuação dessa história lendo o post: Bola quadrada? Não. Pizza quadrada!


Não deixe também de ler as postagens sobre a Itália e a Série 1° tour pela Europa.

Siga o Histórias para Viajar nas redes sociais:
        

14 de dezembro de 2011

Primeiro dia em Roma. Da magia à sedução

A primeira vez que vimos Roma foi em um inverno ensolarado. Saímos com toda turma do tour para conhecer a cidade mais diferente de toda a Europa.

Falar de Roma é tão difícil porque a gente sente uma emoção especial. É viver a história pura de mais de 2 mil anos.

As ruas, as casas, as pessoas...tudo é muito mágico. Muitas igrejas, monumentos surpreendentes e grandiosos, misturados a uma certa modernidade. Inúmeros carros e vespas transitando de um lado para o outro com uma regra de trânsito que somente os romanos parecem compreender.

Eles colocam carro em fila dupla, buzinam, falam alto, comem muita massa.... Diferente??? Para eles é muito divertido e natural.






Em Roma não há muitas estações de metrô devido a quantidade de monumentos que poderiam ter suas estruturas comprometidas.

Há uma estação central chamada Termini e várias outras nos principais pontos turísticos da cidade. A exemplo disso há uma estação de metrô bem em frente ao Coliseu demonstrando o contraste do moderno com o antigo.

O Coliseu foi exatamente a nossa primeira parada em Roma.



Impressionante por fora não poderia ser menos grandioso por dentro.




 

Uma história de combates de aproximados 500 anos despertam a curiosidade de qualquer visitante.

O grande símbolo de Roma é um lugar que realmente vale a pena visitar. Um ingresso no Coliseu dá direito a entrada no Foro Romano.

O nosso grupo do tour estava bem agitado, mas nós e nosso amigo Moacir não parávamos de tirar fotos. Estávamos apaixonados por tudo que víamos e queríamos eternizar cada momento.




No interior do Coliseu tem uma belíssima vista do Arco de Constantino. Este Arco está na frente oposta ao Coliseu.




Saindo do Coliseu fomos rumo ao Foro Romano e....

Saiba a continuação dessa história lendo o post: As Ruínas de Via dei Fori Imperiali.


Não deixe também de ler as postagens sobre a Itália e a Série 1° tour pela Europa.

Siga o Histórias para Viajar nas redes sociais:
        

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...