24 de outubro de 2012

Amsterdam: dos lindos canais à interessante história de Anne Frank

A Holanda é um país encantador e não podemos deixar de falar da cidade de Amsterdam.

Quando chegamos na cidade era uma linda tarde de primavera e a primeira coisa que fizemos foi o maravilhoso passeio de barco pelos canais de Amsterdam. Fomos  até a Central Station, Prins Hendrikkade 25 e optamos por fazer o tour com a empresa Lovers.


passeio durou 1 hora e foi inesquecível. Sentamos do lado de fora do barco e já conseguimos conhecer bem a cidade.





Confira o vídeo que fiz no canal do Histórias no youtube do meu passeio de barco:


Capital da Holanda, Amsterdam é uma cidade linda e interessante. Com suas casas tortas e um mundo de bicicletas espalhadas por toda a cidade. A Veneza do Norte, como é chamada, oferece aos turistas uma beleza encantadora e apaixonante.





Uma curiosidade que poucos sabem é que todos os canais da cidade são artificiais. Foram construídos no início do século XVII.



Como em todo lugar do mundo encontramos brasileiros, começamos a conversar  com um casal da região sul do Brasil que nos deu uma dica sensacional: Conhecer um pouco mais de história na casa de Anne Frank.

Como já era final de tarde, após o passeio de barco resolvemos que iríamos jantar e depois voltaríamos para o hotel. Para o próximo dia, já tínhamos muitos planos para conhecer mais dessa encantadora cidade e também, é claro, iríamos à casa de Anne Frank.
No dia seguinte após um belíssimo passeio para ver os moinhos da cidade, fomos visitar primeiramente a fábrica de diamantes Coster Diamonds para depois seguirmos rumo ao museu Anne Frank.


A Coster Diamonds, fundada em 1840, recebe muitos turistas que têm a oportunidade de saber um pouco mais sobre a história do diamante, além de poder experimentar e comprar uma belíssima joia.





Quando saímos de lá, já era hora do almoço e como estávamos dispostas a ficar o tempo que fosse necessário na Casa de Anne Frank, decidimos que seria melhor almoçar.

Mas o que e onde almoçar ?!!!

Quando chegamos em uma cidade nova, uma das maiores dificuldades é encontrar algum restaurante interessante.

Decidimos ir rumo à Casa de Anne Frank, contando com a sorte de encontrar no meio do caminho um lugar bem legal para comer.

A princípio vimos um restaurante até simpático, mas o cardápio não tinha pratos conhecidos.

Então continuamos a caminhada apostando na busca deste "nosso restaurante".

Entramos em um shopping para ir à praça de alimentação. Acontece que na maior parte da Europa, shopping é um lugar exclusivo para fazer compras de roupas e acessórios e não tem praça de alimentação (encontramos praça de alimentação em shopping apenas em Portugal). Conclusão: ainda não foi dessa vez. Mas não desistimos, porque a esta altura, já estávamos mesmo com muitaaaaa fome.

Até que finalmente encontramos!!!!!!

O lugar se chama Wok to Walk. É uma rede de restaurante fast food de comida chinesa. Você escolhe entre arroz, massa e mistura de vegetais. Depois adiciona os diversos ingredientes do menu. E por último, escolhe o molho de sua preferência. Uma delícia!!!!!

Escolhemos arroz, camarão e molho shoyo!!!



Agora sim estávamos prontas. Iríamos diretamente para a maravilhosa Casa de Anne Frank.


A casa de Anne Frank é a casa que Anne e sua família viveu desde 1933 até 1944.

Anne Frank foi uma alemã de origem judaica que passou a maior parte de sua vida em Amsterdam. Ela é conhecida mundialmente por ter escrito um diário durante o tempo que ficou escondida em um anexo da casa pela perseguição aos judeus.


Infelizmente em 1940 os alemães invadiram os Países Baixos dificultando a vida de todos os judeus.

A família Frank escondeu-se em um anexo dentro da casa em que morava e lá viveu por dois longos anos. Muitas coisas aconteceram antes do anexo secreto ser invadido pela polícia alemã em 4 de agosto de 1944.
Anne Frank escreveu seu diário enquanto morava no anexo. O diário mostra o cotidiano das pessoas que viviam lá.

Anne morreu em 1945 de tifo (nome genérico de várias doenças infectocontagiosas). Seu pai, Otto Frank foi o único sobrevivente da família e foi ele quem entregou o diário de Anne para ser publicado.



A casa fica na Prinsengracht 263 e recebe turistas do mundo inteiro. A casa é fascinante!!!! E a história, ainda mais!!!

Durante o tour escutamos áudios, vimos vários vídeos e ficamos sabendo mais dessa magnífica história. O lugar é extremamente interessante e comovente.


Apenas uma observação: Ao visitar a casa, o anexo que a família Frank viveu é de difícil acesso  por causa das escadas íngremes. Portanto quem tem dificuldades de locomoção deverá se atentar a esse detalhe.

Também não se pode filmar ou fotografar no local.

Ao comprar seu ingresso você receberá um guia em seu idioma. Assim todos poderão acompanhar tudo o que se passou na casa dessa garota tão especial chamada Anne Frank.


Estátua de Anne Frank próxima ao museu




Para quem quiser comprar o livro " O Diário de Anne Frank", dentro do museu há uma livraria que vende o livro em vários idiomas.

Ir ao museu é uma experiência incrível que nos remete ao passado com tanta emoção.



Pesquise seu hotel aqui!
   

Siga o Histórias para Viajar nas redes sociais:
        

17 de outubro de 2012

Uma livraria chamada The Travel Bookshop

Hoje assisti pela milésima vez o filme Notting Hill, em português: Um Lugar Chamado Notting Hill. O filme me fez lembrar do dia em que estávamos em Londres e resolvemos ir ao encantador bairro de Notting Hill (sim Notting Hill é um bairro de Londres e não uma cidade como muitos pensam) a procura da livraria do filme.

O ano era 2010, era inverno e tínhamos andado muito por Londres durante o dia todo, estávamos tão cansadas....mas mesmo assim nós e alguns amigos decidimos conhecer o bairro, em especial: A LIVRARIA DO FILME.

Descemos na estação de metrô Notting Hill e antes de irmos rumo à livraria entramos em uma loja para tentarmos comprar uma bota, pois a minha acabou furando, de tanto andar por Londres, e meus pés estavam encharcados por causa da chuva.


Eu mesma não consegui comprar novas botas, apenas uma amiga que estava com a gente e encontrou uma por apenas 5 libras. 
Já estava escuro e não podíamos perder tempo, queríamos muito encontrar a livraria.

Não tínhamos GPS, então foi meio difícil encontrarmos a rua certa.

Estávamos a procura dos números 13-15 Blenheim Crescent. Nesse dia chuvoso, entramos em algumas lojas para perguntarmos onde ficava a livraria do filme, mas muitos não sabiam.

Até que nosso amigo perguntou para um morador de Notting Hill que estava voltando do trabalho. Nossa salvação!!!! Muito simpático foi conversando conosco e nos levou à famosa rua.

Já era noite, e quando chegamos na livraria a vendedora estava fechando, mas não nos importamos. Conseguimos tirar nossas fotos e sentir a emoção de estar na livraria onde foi inspirado o cenário do filme de Julia Roberts e Hugh Grant .



  
Infelizmente, em 2011 a livraria fechou após 32 anos de funcionamento. Motivo: O proprietário da The Travel Bookshop mora na França há 25 anos e seu único filho decidiu não manter o negócio.

Mas não fiquem tristes!!! A The Travel Bookshop foi vendida, mas continua sendo uma livraria, só que agora recebe o nome de The Notting Hill Bookshop.




O que podemos dizer é que Notting Hill é um bairro que vale a pena conhecer. Um bairro charmoso, caracterizado por suas belas casas, feira de artesanato e antiguidade, o mercado de Portobello, restaurantes, pessoas descoladas.....Tudo muito lindo. Exatamente a mesma beleza que o filme nos mostra.




Siga o Histórias para Viajar nas redes sociais:
        

9 de outubro de 2012

Uma tarde à la plage... em Paris


Certa vez ouvi uma história de um carioca curtindo seu primeiro dia em Paris. Sua frase ao final do dia: "Para ser totalmente perfeita, só faz falta uma praia". Praia em Paris??? Imagine só... areia, espreguiçadeira, guarda sol, tendo como mar o rio Sena e como referência a Torre Eiffel. Total devaneio?!! Não exatamente! Paris tem praia sim! É uma “praia de temporada”, isso é verdade... tudo bem também que o rio Sena não é propriamente o mar (apesar de ser lindo), mas... como tudo em Paris... não é que ficou mesmo um charme?


Parisienses e os “quase parisienses de todo canto do mundo” se misturam nas areias. As espreguiçadeiras são muito concorridas, mas se não se encontra mais nenhuma disponível, não há problema! Coloca-se uma toalha... ou...para que toalha? Tem gente bem à vontade, de biquíni e tudo mais. Tem também o pessoal que saiu do trabalho para se juntar aos amigos que já preparam um luau. Tem gente chegando com o abridor nas mãos, para abrir o vinho reservado para o piquenique romântico. E tem também gente sozinha muito bem acompanhada de um bom livro, o que aliás é a coisa mais comum de se encontrar às margens do Sena.


Tem jato de água para refrescar do calor. Tem criança brincando livre e feliz com seu baldinho de areia. Tem esporte e música. Naquele dia havia até samba!
Sem perceber minha irmã e eu estávamos ali sentadas, pés na areia em plena Paris, saboreando um delicioso sorvete de casquinha, sabor de rosas (de verdade)... o mais perfeito modo de se ver “La vie en Rose” (nome de uma famosa canção francesa). Depois, uma caminhada despreocupada seguindo o curso do Sena, vislumbradas com a imagem da querida Eiffel, já em tom dourado pelo cair da tarde. Como pode haver tristeza com um cenário como este? Para nós só há uma teoria: não existe tristeza em Paris! E você dúvida? ... Tempos atrás há quem duvidasse que pudesse haver praia! 

Paris é mesmo um lugar mágico. Se dizem que é na Disney que os sonhos se tornam realidade, ousamos dizer que é em Paris que as pessoas sonham.



Quer encontrar outras dicas para aproveitar bem Paris ? Você irá encontrar no Ebook Roteiro 3 dias Paris que fiz baseado em toda a experiência que tenho das 4 vezes que estive por lá. 


Siga o Histórias para Viajar nas redes sociais:
        





2 de outubro de 2012

VIAJANDO COM SEGURANÇA

Ah... viajar é muito bom. E para aproveitar tudo ao máximo, não podemos esquecer de alguns itens fundamentais: nossa segurança e conforto. 

A melhor maneira de se conhecer uma cidade é caminhando. Os meios de transporte como o ônibus, bonde e metrô também podem ser muito interessantes, facilitando a exploração de regiões diversas em um mesmo dia. 

Ônibus de Londres

Bonde de Lisboa


Seja qual for o seu perfil de viajante, é fundamental ficar bem atento com relação aos seus pertences. As dicas abaixo o ajudarão a proteger seus bens, para garantir uma viagem sem dores de cabeça.

- Ao fazer as malas, feche-as com cadeados e não esqueça de colocar a identificação com seus dados pessoais, como nome completo, telefone para contato com o código da cidade/país e local de destino. As etiquetas para malas podem ser ofertadas pelas agências de viagens ou compradas em lojas que vendem malas. Em viagens internacionais pode valer a pena plastificar as bagagens que serão despachadas. Ao optar por este serviço sua mala também ganha um selo de garantia, oferecendo reembolso em caso de problemas com a bagagem. Leve alguns cadeados extras.

Serviço para plastificar a mala
  
- Os itens de maior valor, bem como equipamentos como leptops, filmadoras e câmeras, devem ser levados na bagagem de mão. Se você viaja sozinho utilize “o porta cédulas” que são bolsas/pochetes para serem colocadas junto ao corpo, para guardar dinheiro e cartões com segurança.


- Ao transportar suas malas, nas rodoviárias, aeroportos, trem, táxi e recepção de hotéis nunca se descuide de seus pertences, nem por um instante.

- Para chegar aos locais de hospedagem, procure informar-se com antecedência sobre o meio de transporte que pretende utilizar. Alguns hotéis dispõem de um serviço próprio de translado a preços razoáveis. Se optar pelo táxi, verifique se o mesmo está credenciado aos aeroportos por exemplo.

Em alguns países o aeroporto está integrado às linhas de metrô, é o caso de Madrid, na Espanha e em Lisboa, Portugal

Aeroporto de Madrid

Há também ônibus especiais que permitem o transporte de bagagens. Mas estes meios somente são interessantes se você carrega pouca bagagem, pois de outro modo pode ser cansativo.

Ônibus que sai do aeroporto Orly e vai para o centro de Paris


- Em seu local de hospedagem, verifique uma forma segura para guardar seus objetos de valor. Em viagem ao exterior, guarde bem seu passaporte - dependendo do passeio não é necessário levá-lo para cima e para baixo. Uma dica é tirar uma cópia colorida contendo sua identificação e levá-la na carteira, bolsa ou mochila. E caso necessite sair com o passaporte, deixe a cópia na mala, pois em caso de perda, o número de identificação pode facilitar sua comunicação junto ao consulado. Igualmente interessante é tirar uma cópia dos cartões e outros documentos importantes. Guarde bem as quantias em dinheiro, cartões, travels cheques. Não se esqueça ainda de guardar o tablet, notebook , câmeras fotográficas e filmadoras. Alguns hotéis oferecem cofres nos quartos ou na recepção. Mas, você também pode colocar em sua mala cadeados com segredos, guardando todos os pertences valiosos lá dentro. O cadeado de segredo é interessante, pois não necessitamos carregar as chaves, que por serem tão pequenas são fáceis de perder.

- Se você gosta de caminhar por diversos lugares e como todo bom turista não perde uma foto, o mais indicado é levar uma mochila. Existem modelos bem modernos e de tamanhos e cores bem variados, que combinam com todo tipo de estilo. O interessante de se utilizar a mochila é que os braços podem ficar livres, distribuindo bem o peso do que é carregado. Para garantir o conforto o ideal é que seja uma mochila mais compacta. Ela deve ser resistente e impermeável. Nas mochilas pode-se levar uma garrafa de água, equipamentos de foto e filmagem, pilhas e outros acessórios, carteira e até guarda chuva (dependendo da cidade e época do ano, você pode precisar!). Leve também um álcool gel para higienizar as mãos se necessário e lenço de papel para o caso de encontrar um toalete sem papel higiênico. Mas tenha cuidado! Para que a mochila seja mesmo a melhor opção, utilize um cadeado com segredo.



Todo viajante empolgado com as maravilhas do lugar acaba se distraindo, podendo tornar-se alvo fácil dos mal intencionados. Na maioria dos países, o turista é vítima de furto (e não roubo), um minuto de distração é o que os oportunistas esperam para levar seus pertences que você só dará falta horas depois.

- Oriente-se através de sites, blogs e guias de viagem, ou converse com um guia turístico sobre os locais a evitar, seja por cidade ou determinada hora do dia. Por exemplo, em Paris, o Marais, é uma região que se deve evitar passear a noite sozinho.

- Na recepção dos hotéis e albergues é possível encontrar mapas gratuitos da cidade, o que pode ser muito útil. Também solicite um cartão do hotel ou anote o endereço e o telefone, pergunte também na recepção qual o ponto de ônibus ou metrô mais próximo, pois caso se perca pela cidade poderá solicitar informações para retornar mais facilmente ao local de hospedagem.


Siga o Histórias para Viajar nas redes sociais:
        

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...